Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Como contar uma boa história e se tornar ainda mais atraente

Um estudo realizado no início do ano passado por pesquisadores de duas universidades americanas concluiu que pessoas capazes de contar uma boa história possuem um maior magnetismo sexual do que as demais.

E quais seriam os principais motivos para isso?

Aparentemente, as pessoas mais carismáticas, desenvoltas e sagazes tendem a parecer pertencer a um extrato mais alto da sociedade, visto que a habilidade de se comunicar com eficiência pode estar relacionada à influência, ao poder e à autoridade.

Mas, antes de nos preocuparmos com os motivos, vamos pensar em algo mais objetivo – como ser uma boa narradora de histórias?

Se é verdade que estamos perdendo a nossa capacidade de contar uma boa história, como muitos intelectuais afirmam de maneira enfática, é também verdade que, com um pouco de esforço e motivação, podemos recuperá-la.

Esses conselhos são somente o começo – mas se os seguir atentamente o resto virá.

1# Conheça a pessoa a quem se dirige

O primeiro passo é escolher um assunto que desperte o interesse de seu interlocutor.

Para isso, tenha em mente algumas das características e das preferências da pessoa em questão. É preferível, por exemplo, evitar contar uma história relacionada a uma partida de tênis a alguém que ignora as regras do jogo, ou falar de literatura francesa com alguém que jamais abriu um livro desde a formatura do colegial.

Conforme adquirir mais confiança e experiência, poderá agir com maior liberdade. Uma pessoa realmente carismática é capaz de transformar basicamente qualquer assunto em uma história encantadora.

2# Siga uma linha retilínea e condensada de raciocínio

Saiba exatamente o que dirá e quais os elementos mais importantes de sua narrativa. Em primeiro lugar, exponha a primeira coisa que ocorreu, conservando a ordem cronológica dos acontecimentos.

Não seja confusa nem obscura, e não mude subitamente de assunto. Evite fazer qualquer tipo de digressão e, se esquecer alguma coisa, só a mencione se for vital ao entendimento de seu interlocutor.

Está em dúvida se deve ou não acrescentar um novo elemento à sua história? Lembre-se de Cícero, o grande orador romano: “É preferível deixar de lado não só o que atrapalha, mas também aquilo que em nada ajuda, mesmo que não atrapalhe”.

3# Tenha senso de humor

Ser bem-humorada e espirituosa é essencial. Das distintas formas de humor, a ironia é a mais apreciável, contendo um elemento de sofisticação – uma vez que “o homem irônico brinca para divertir-se, ao passo que o palhaço brinca para divertir os outros”, como disse Aristóteles em sua Retórica.

O humor se faz especialmente desejável nos momentos em que a narrativa corre o risco de se tornar entediante. Nesses momentos, diga alguma coisa além do esperado, algo que possa provocar o riso ou a admiração de seu interlocutor.

Evite mostrar-se uma pessoa ressentida ou rancorosa. Procure ter em mente as palavras do escritor armênio Michael Arlen, segundo quem “é de fato curioso, mas em um mundo repleto de amargura as pessoas amargas tendem a não ser queridas”.

4# Saiba manipular a sua história

Manipular uma história é diferente de manipular a pessoa a quem se dirige. Para tornar um relato mais interessante, é necessário que ele assuma feições novelísticas, tornando-se em si mesmo uma espécie de conto ou crônica. Sinta-se confortável para aumentar os pontos interessantes e ignorar os desinteressantes.

5# Mergulhe nos livros

Não nos de auto-ajuda. Nunca nos de auto-ajuda.

Mergulhe nos clássicos da literatura, lendo-os com atenção e fazendo anotações. Isso irá, sem dúvida alguma, aumentar o seu vocabulário, aperfeiçoar a sua precisão gramatical e ampliar a sua capacidade narrativa.

6# Não se vanglorie

Você se acha maravilhosa, inimitável, esplêndida?

Tudo bem, mas não o anuncie em altos brados ou se esforce para passar tal impressão ao seu interlocutor. Pessoas que elogiam muito a si mesmas costumam ser excessivamente pretensiosas ou miseravelmente inseguras.

Lembre-se de Montesquieu, segundo quem “falta luz a um elogio quando este reflete para o mesmo lugar de onde procede”.

7# Saiba ouvir

Saber ouvir é tão importante quanto saber se expressar, e ainda mais raro.

Exercite a sua capacidade de escutar atentamente ao que os outros têm a dizer. Não tente interrompê-los nem procure antecipar suas palavras, mas preste o máximo de atenção e, nos momentos certos, teça comentários ou perguntas inteligentes.

Ainda sem comentários.

O que você pensa?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *