Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

O que é ser mãe de uma menina

Ame-se e ela se amará. Não perpetue a ideia padrão de corpo ideal. Mesmo que seja difícil e tentador reclamar daquele pneuzinho na barriga, não faça isso na frente dela. Ela já tem uma sociedade inteira para desvalorizar, objetificar e estabelecer um padrão estético para o corpo feminino.

Sempre, sempre destaque a importância e o valor dos sentimentos, das emoções e de seus atributos psicológicos.

Vai presentear? Dê carrinhos, dê bonecas. Dê carinhos, bicicleta… É fofo ver sua bebê segurando outro bebê, sei bem como é isso. Mas dê a ela a chance de se divertir com um caminhão cheio de areia. Permita que ela tenha a oportunidade de ser motorista, mamãe, construtora e maquiadora.

Não use, em hipótese alguma, frases do tipo: “ Você é mocinha, não faça isso”; “menina não senta assim”; “isso é coisa de menino”. Convenções sociais são para ambos os sexos. Educação nunca deveria ser questão de gênero.

Deixe ela brincar sem ter preocupações com cabelo, suor, vestido ou saia. Quantas vezes presenciei meninos em brincadeiras super legais e bem agitadas, por sinal. Mas no canto, uma ou outra garota se contendo por não querer bagunçar o cabelo, suar ou correr o risco de sua saia levantar. Privar as meninas desses momentos de prazer e enchê-las de culpa não pode ser a nossa intenção. Devemos lutar contra isso diariamente. Temos direito ao prazer e não somos Eva no paraíso de Adão para carregar a tal da culpa.

Quem nunca ouviu a frase: “Meu mundo cor de rosa”. Vamos permitir o azul sem maiores traumas. Cores são cores, acho que nem preciso me alongar.

Temas de aniversário? Se ela quer ser princesa, tudo bem. Mas heroína também não cai nada mal. Por isso, vamos contar mais histórias de grandes mulheres, desbravadoras, cientistas, fortes!

Ao elogiar, fale de sua inteligência, sua personalidade e bons sentimentos. Deixe para elogiar a roupa depois.

Ela cresceu? Ensine-a a dirigir. Deixe que o pai ensine a cozinhar. E isso não é inversão de papéis. É apenas divisão de tarefas.

Pois bem, ser mãe de menina é ser mãe de criança. E só.

Ainda sem comentários.

O que você pensa?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *